quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"El Solitario" Rota dos Santuarios



Depois de não conseguir cumprir o meu objectivo na passada segunda-feira, e por ainda não ter consigo estar com o meu Pai, hoje decidi fazer-me a estrada para ir almoçar com os meus pais a Aver-O-Mar, como a viagem ate la é relativamente curta e porque o tempo ate estava bastante agradável para a pratica da modalidade, la fui eu em direcção ao Sameiro em Braga, mas antes ainda tinha que enfrentar a subida ate as pedreiras de Airao, depois foi rumo a Falperra para depois atingir o cume do Santuario do SameiroO Santuário do Sameiro é um santuário localizado em Braga, cuja construção se iniciou a 14 de Julho de 1863. O fundador deste santuário foi o vigário de Braga, Padre Martinho Antonio Pereira da Silva, natural de Semelhe, que em 1871 fez colocar, no cume da montanha, uma imagem de Nossa Senhora da Conceição. O santuário é o centro de maior devoção mariana em Portugal, depois de Fátima. O Templo, concluído no século XX, destaca-se no seu interior o altar-mor em granito branco polido, bem como o sacrário de prata. Em frente do Templo ergue-se um imponente e vasto escadario, no topo do qual se levantam dois altos pilares, encimados da Virgem e do Coração de Jesus.” Já no cume foi tempo para uma pausa para abastecer e registar o local, depois da barra no papo foi so curtir, a descida ate a cidade e rumar em direcção a Barcelos para depois apanhar a nacional que me levaria ate Esposende, onde faria outra pausa em dia de romaria S. Bartolomeu do Mar “Segundo a lenda, todos os anos, no dia 24 de Agosto, o diabo - simbolizado num cão atrelado à imagem de S, Bartolomeu - anda à solta, só voltando ao mar quando anoitece. Por isso, durante o dia, as crianças tomam banho nas águas 'puras' e, sobretudo, gélidas do Atlantico a fim de ser curadas de males como medo de estar sozinho a noite, gaguez ou epilepsia.
Além disso, crianças e adultos pegam numa galinha preta ao colo, dão três voltas à igreja de S. Bartolomeu e passam - também três vezes - por baixo do andor florido que se encontra no interior do templo e que à tarde, com o cão atrelado, vai na procissao até à areia, onde é feito o sermão, perante milhares de pessoas que aproveitam para gozar um dia de praia."
depois mais um abastecimento e o registo do local, a todo o pano ate A-Ver-O-Mar onde me esperava um almoço a maneira, e bem precisava já tinha deixado para trás 100km que já se faziam sentir, depois do almoço o cafezinho da praxe e toca andar, mais uma paragem em vila do conde para registar o local e depois foi so pedalar e pedalar ate delaes. Resumindo foram 150km com uma boa media de 26,6km/h nada mau, mas como não fiquei satisfeito e depois de um banho e um lanche a maneira, fui fazer mais 4km a correr com a minha cara metade, estou como um aço, lol.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

S. Bento-Geres em Roda Fina


Hoje para comemorar o inicio das Ferias tinha planeado uma investida ate S. Bento no Geres mas desta vez não em BTT mas sim em Roda Fina, para esta aventura consegui juntar os manos Gouveia que se iriam estriar nestas andanças, as expectativas para este passeio estavam em alta, ate o relógio tocar pela manha, eu deparar-me com um tempo chuvoso e fresco, vou ser sincero fiquei logo desanimado, mas mesmo assim e ate porque fui eu o organizador deste passeio la me pus a mexer ate ao ponto de encontro debaixo de chuva. Como sempre fui o primeiro a chegar, e na curta distancia ate ao ponto de encontro deu para perceber que iria apanhar uma molha descomunal, depois da chagada do restante plutão e depois de tomar-mos o pequeno-almoço la nos fizemos a estrada, ate porque as bikes tinham que voltar para os donos e o passeio teria mesmo de ser feito, saímos sem chuva e ainda fizemos uns longos km na ausência de chuva, chegados a Braga la deu o ar da sua graça para nunca mais nos abandonar, os km foram fluindo duas de treta mais uns km ate que chega a verdadeira subida que iria tornar o passeio mais duro, foram 9 km sempre a subir com uma inclinação continua de 9%, sempre a um ritmo continuo la fomos atingindo o cume onde nos esperava uma valente descida de Covide ate S. Bento, em tempo seco seria uma descida muito divertida de se fazer mas nestas condições tornou-se penosa devido ao frio e a intensidade da chuva que mais parecia laminas a cortar-nos as postas, resumindo para os manos Gouveia foi uma experiencia a repetir “penso eu de q” mas para a próxima sem chuva, para trás ficaram 76km com uns meros 1359 metros de acumulado e um banho monumental. Depois foi so esperar pelas companheiras dos manos que nos iriam buscar e levar um manjar dos deuses e claro roupa seca porque mais uns minutos e começava a entrar em hipotermia.